Conheça o médico cego que salva vidas em São Paulo

Publicidade

Viver com limitações é inerente à cegueira, mas não quer dizer que, com muita determinação, não se possa triunfar sobre a deficiência. Foi o que aconteceu com Ricardo Ayello Guerra, médico cego que há 26 anos ajuda a salvar vidas nos hospitais e clínicas de São Paulo. Contrariando todas as más expectativas e superando o bullying vivido na infância, Dr. Ricardo cursou medicina em universidade estadual, foi aprovado em concurso público e hoje é endocrinologista responsável pelo Ambulatório de Câncer de Tireoide do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

médico cego

Reprodução Perfil Profissional Doctoralia

Publicidade

Com ajuda de um programa de computador, que descreve os prontuários na tela por meio de audiodescrição, e de um assistente, que lê os exames, Ricardo Guerra atende cerca de 20 pacientes por dia em três instituições de saúde. Além da unidade na Vila Clementino (SP) , o médico também dá expediente no Hospital do Servidor Público Municipal e em uma clínica particular em Atibaia – uma rotina corrida para alguém que, no começo, se recusava a usar bengala e andava aos tropeços e tombos pelos corredores dos hospitais.

Mesmo nunca estando sozinho durante os atendimentos, o endocrinologista ainda enfrenta desconfiança de alguns pacientes, que se recusam a ser examinados por um médico cego. Entretanto, é perfeitamente capaz de realizar diagnósticos clínicos através de palpação, percussão e ausculta. “É desagradável ser julgado não por uma questão técnica, mas por uma limitação que existe e que gera uma certa insegurança. Na concorrência, o cego já sai um passo atrás. Então tem que compensar com muita qualificação técnica”, contou em uma entrevista ao UOL.

Publicidade

Saiba mais sobre a retinose pigmentar

Ricardo Ayello Guerra sofre de retinose pigmentar, uma doença genética degenerativa da retina, que causa perda de visão progressiva, levando à cegueira. A retina é a parte do olho responsável por receber a imagem e transmiti-la ao cérebro através do nervo ótico, e, quando essa estrutura sofre atrofia, as imagens que vemos deixam de ser formadas. Ricardo nasceu com essa condição e, quando criança, já tinha a visão fraca – a capacidade de enxergar foi diminuindo ao longo da vida, até ficar completamente cego aos 35 anos.

Apesar das dificuldades, o médico não se vitimiza e vê na profissão a oportunidade de contribuir para a sociedade de forma ativa. “A gente tem que dar exemplo. Não pode, porque passou uma dificuldade grande na vida, sentar, chorar e arrumar uma aposentadoria por invalidez. Acho que o exemplo melhor é tentar continuar. Dentro do que for possível”. Ricardo se casou duas vezes, tem filhos, uma namorada e uma carreira de sucesso! Sua cegueira nunca o impediu de levar uma vida normal, que, certamente, não tem nada comum.

Publicidade

Veja também: Casal de pais cegos consegue sentir seu bebê por ultrassom 3D