Pai encontra carta no carro de deu à filha e se arrepende da compra

Nos Estados Unidos os jovens podem tirar carteira de habilitação aos 16 anos de idade e, para comemorar essa conquista, é comum que os pais presenteiem seus filhos com um automóvel, quando a família tem condições. Esse foi o caso do orgulhoso pai Kevin Duke. Ele fez uma compra de um carro que julgou ser seguro o bastante para sua filha, mas quando estava fazendo a limpeza do veículo, encontrou algo inesperado.

O presente tradicional

A jovem Jada Duke estava ansiosa para completar 16 anos, uma idade marcante na vida de todo jovem, inclusive porque é o momento de tirar a carta de habilitação. Semanas antes do seu aniversário, o pai, Kevin, estava preparando uma surpresa. Ele comprou um carro para presentear a filha e estava se antecipando para que tivesse tempo de fazer os reparos necessários no veículo.

O carro ideal

Foi no ano de 2015 que essa história aconteceu. Em janeiro, Kevin começou a fazer pesquisas para encontrar o carro ideal para sua filha, que faria aniversário em março. Ele havia comentado com uns colegas de trabalho sobre a intenção de comprar o carro para a filha, então uma pessoa do seu trabalho fez uma recomendação de um Ford Fusion prata que estava à venda.

O caso usado precisava de uns reparos

Kevin foi então à procura do tal Ford Fusion para ver em que condições estava e se valia a pena investir. Ele verificou o carro, que precisava de alguns reparos simples, mas estava mesmo em boas condições de uso.

Então, ele pensou por alguns dias e resolveu comprar. Depois de revisar o carro por completo, já em sua casa, Kevin fez uma descoberta que, a princípio, acabou não dando a devida importância.

Um envelope para ser lido

Quando Kevin colocou a mão sobre o compartimento do painel superior do carro, ele percebeu algo estranho. O fundo estava solto. Então, na intenção de limpar, ele removeu a tampa e se deparou com um envelope.

Em seguida, ele sentou-se no banco do carro, abriu o envelope e começou a ler a carta que havia dentro. Ele contou, em entrevista, que chorou como um bebê ao ler aquela carta.

Informações ao novo dono

Aquele envelope estava endereçado ao novo dono do carro, nesse caso, Kevin e sua filha. O envelope dizia que havia informações importantes ali dentro da carta, mas Kevin pensou que eram relacionadas ao carro em si e possíveis manutenções.

Porém, o conteúdo não era exatamente este. Falava sobre o passado do carro, e era um conteúdo que deixou Kevin muito surpreso a cada nova linha que lia.

Um carro com lindas memórias para o antigo proprietário

A carta dizia: “Este carro guarda muitas lembranças especiais para mim. Minha casa e tudo o que se foi, esse carro é tudo o que me restou para tocar”. Ou seja, aquele carro era mais do que um simples veículo. Ele fazia parte de uma família antes de chegar até ali. Kevin começou a ler a carta e a enxergar aquele carro de um jeito mais especial.

As aventuras do passado

Um trecho da carta dizia: “minha família encheu este carro com muito amor e outras coisas complicadas. Fizemos duas viagens rodoviárias, escutando músicas dos anos 80 e country com as janelas abertas. Mudei mais fraldas no banco de trás do que consigo me lembrar. Existe provavelmente um adesivo ou um lápis de cera escondido em algum lugar que era da minha bebê. Talvez um nugget de frango. HA!”

Dava para sentir toda a emoção colocada naquela carta, e que a pessoa que a escreveu estava realmente triste em ter de perder o carro.

Algumas marcas da vida

Depois de falar sobre alguns momentos agradáveis vividos com aquele carro, a pessoa que escreveu a carta não deixou de mencionar alguns arranhões que também faziam parte das vivências. Claro que Kevin já havia notado, mas foi importante que a pessoa os mencionou, pois estava sendo sincera.

Ela, inclusive, explicou as causas: “não sei se notou, mas deve ter uma mancha no painel de controle. A minha filha colocava sempre os pés aí. O amassado do lado do condutor e o da porta do passageiro foram onde a minha filha aprendeu a andar… e bater… com a sua bicicleta”.

É claro que, com uma filha prestes a fazer 16 anos, Kevin voltou imediatamente ao passado e se lembrou de quando a filha dele também estava aprendendo a andar. Aqueles danos seriam perdoados.

O carro tinha um nome: Sylvia

Como se não bastasse, o carro tinha um nome: era Sylvia. A carta também explicava o motivo: “No primeiro dia em que mamãe pegou esse carro e fomos dar uma volta tocou “Sylvia’s Mother” do Dr. Hook na rádio. Minha filha disse que devíamos dar-lhe esse nome e ficou. Por isso, por favor, não mude o nome dela”.

Esse pedido não fazia muito sentido, já que muitas pessoas sequer acham que um carro deve ter um nome. Estava claro que aquela carta era um desabafo cheio de tristeza e de muitas memórias. Aliás, a parte mais emocionante ainda estava por vir…

A tragédia

Aquela carta já havia dito histórias interessantes sobre o passado do carro, mas ainda estava prestes a contar uma parte muito triste e emocionante, que Kevin não esperava ler: “Eu só queria que você soubesse que veículo especial você comprou. Este carro pertencia à minha mãe. Ela faleceu em 25 de fevereiro de 2015 em um incêndio em casa junto com minha filha de 6 anos e minha tia. A última vez que minha mãe dirigiu esse carro foi no dia em que nos deixou”.

A pessoa que escreveu a carta

Aquela carta totalmente inesperada e chocante havia sido escrita por Sabrina Archey. No dia da tragédia, ela estava no trabalho. Dentro da casa, na hora do incêndio, estavam sua mãe, sua tia e sua filha de apenas 6 anos de idade. Nenhuma delas conseguiu resistir. Depois desse imenso abalo em sua vida, Sabrina ficou sem chão, literalmente. Não tinha onde morar e ainda precisava cuidar da outra filha que não estava na casa naquele dia.

O carro era a última lembrança

Quando uma casa pega fogo, tudo o que há dentro dela se transforma em cinzas. Ou seja, toda a vida, a história e as lembranças de Sabrina não existiam mais na forma física, apenas em suas lembranças. Só o que sobrou foi o carro e uma mochila que a sua filha tinha deixado dentro.

Outro problema foi que, em meio ao desespero do ocorrido, o seguro não pagou pelo carro, e então Sabrina foi obrigada a se desfazer da última lembrança física que lhe tinha restado. Ela deixou claro na carta que não era sua culpa, mas que queria fazer um pedido.

O carro foi levado

Sabrina sequer conseguiu vender o carro para ter alguma condição de reorganizar a sua vida. Ela ficou grata por ter apoio da comunidade para ajudar nos custos dos funerais, mas ainda restavam muitas dívidas. Mesmo assim, ela não conseguia mais pagar pelo carro e ele foi levado pela loja que o vendeu para sua mãe.

Quando ela escreveu a carta…

Quando Sabrina entrou no carro pela última vez, notou que tinha uma pequena pegada no painel. Ela onde sua filha costumava colocar os pés. Naturalmente, ela caiu no choro e foi aí que resolveu escrever a carta para que, quem sabe, alguém a achasse e pudesse dar ao veículo todo o amor que ele recebeu naquela família.

Sabrina estava desolada

Não precisa fazer qualquer esforço para entender como é que Sabrina estava se sentindo naquele momento, dentro da última lembrança física que tinha de sua mãe e sua pequena filha. Mesmo assim, ela escreveu: “Não estou brava com você. Espero que este carro seja o melhor que você já possuiu. Espero que funcione por mais 100 anos. Espero que o banco traseiro fique cheio de crianças e brinquedos e coisas aleatórias”.

Apelo ao novo dono

Mesmo assim, Sabrina sentiu que precisava fazer um pedido. Quem sabe, em suas preces, ele seria atendido. Ela tinha que tentar. Na carta, escreveu: “A vida aconteceu neste carro. Havia amor, alegria e aventura neste carro. Então, agora que é seu, lembre-se de que não é apenas um carro. É uma memória. Este carro com todas as suas peculiaridades é o último pedaço da minha família. Seja legal”.

Um carro para amar

Mesmo sabendo que o novo dono do carro poderia nunca encontrar sua carta, ou encontrar, mas não dar importância, aquele momento era apenas um desabafo da jovem que estava tentando lidar com luto. Então, ela continuou: “Toque uma música country, o Big Green Tractor era a música favorita da minha filha, ou Lynyrd Skynrd Freebird. Essa música significou tanto para nós que eu a toquei em seus funerais”.

Ela também queria o carro de volta

Naquele momento, a dor de Sabrina em perder o carro era tanta que ela não aguentou e fez uma sugestão: “Se você quiser vender Sylvia, tente me encontrar. Acabei de pagar por três funerais, não posso comprá-lo agora, mas espero estar em melhor situação financeira em breve. Se você decidir mais tarde que ela não serve mais, me procure”.

Kevin sabia que precisava fazer algo mais

Aquela carta realmente emocionou Kevin, e ele se sentiu na obrigação de encontrar Sabrina para ao menos dizer a ela que o carro estava em boas mãos e que seria tão amado quanto havia sido com sua família. Ele não teve dificuldades em encontrar Sabrina, e pediu permissão para publicar sua carta nas redes sociais. Quem sabe, algo bom poderia acontecer…

A carta viralizou

Todo o conteúdo emocionante daquela carta que estava agora nas redes sociais não demorou para viralizar. Quando a publicação foi compartilhada pela página “Love What Matters” recebeu 19 mil reações positivas das pessoas. Foi assim que a história chegou a uma outra pessoa que achava precisar fazer algo a mais a respeito.

Tammi Warrington entrou na história

Tammi Warrington, que estava a mais de 500 quilômetros das famílias envolvidas inicialmente nessa história, ficou muito emocionada ao ler a carta. Ela ficou tão devastada quanto Sabrina, pois conseguiu se colocar no lugar dela e sentir a sua dor, lembrando de como foi quando o seu pai havia falecido e imaginando como seria perder o filho de 5 anos. Ela então soube que Sabrina precisava ter aquele carro de volta.

Tammi queria ajudar de alguma forma

A princípio, quando leu a carta, Tammi não sabia quem a tinha escrito. Então, resolveu entrar em contato com Kevin, que havia feito a publicação original. Ela queria saber o que eles poderiam fazer para devolver o carro à Sabrina.

Arrecadando fundos

Kevin também estava disposto a fazer o carro voltar para Sabrina, mas não poderia dar, pois havia investido no veículo e precisava do dinheiro de volta. Então, ele e Tammi começaram a fazer uma campanha de arrecadação de fundos para juntar 12.300 dólares para que todas as taxas do carro fossem pagas e ele pudesse voltar à Sabrina sem dívidas.

A ideia deu certo e foi para a televisão

A campanha, no princípio, não deu muito certo. Mas, certo dia, a quantia arrecadada havia aumentado subitamente. Então, Kevin descobriu que uma televisão australiana havia divulgado o caso, e foi o que motivou muitas pessoas a ajudar. Então, outro canal de tv entrou em contato com Kevin para que divulgasse a história, e ele concordou com a condição de que pudesse devolver o veículo pessoalmente à Sabrina.

Sabrina e “Sylvia” estavam juntas novamente

Essa é uma história com final feliz, embora não tenha curado a dor da perda. Mas, certamente foi um ato cheio de amor e empatia por parte de Kevin e Tammi, e que mudou a vida de Sabrina para melhor. O carro voltou para a antiga família e Kevin ainda conseguiu dar um novo carro à filha, como era a ideia inicial.