Suspeito de atacar a sede do Porta dos Fundos é extraditado da Rússia

Publicidade

Nesta quinta-feira (03), Eduardo Fauzi, um dos acusados de atacar a sede do Porta dos Fundos em 2019, foi extraditado da Rússia. O brasileiro, que estava na lista de mais procurados da Interpol, foi detido no aeroporto de Koltsovo em setembro de 2020 após fugir do Brasil para Moscou, para viver com a mãe de seu filho. Descoberto pelos serviços de inteligência do Brasil, a Rússia passou a ajudar nas buscas por Fauzi. Após sua prisão, Fauzi chegou a pedir asilo político nas terras de Putin, mas foi negado.

Lembra do caso?

Em 24 de dezembro de 2019, um grupo de pessoas, que incluía Fauzi, atacou a sede do Porta dos Fundos, no Rio de Janeiro. Os suspeitos jogaram coquetéis Molotov na entrada do prédio em protesto a um especial de Natal produzido naquele ano pelo canal, em que Jesus Cristo era retratado como gay. Como resultado, o saguão do local foi incendiado e um segurança ficou ferido. Segundo a polícia, o grupo fugiu após o ataque – Fauzi era o único membro do bando que não usava capuz, o que possibilitou identificá-lo com facilidade pelas câmeras de segurança.

Publicidade

Jesus retratado como gay no especial de Natal

Na ocasião, foi expedido um mandado de prisão de 30 dias contra o suspeito, mas ele conseguiu escapar para a Rússia, sendo colocado na lista internacional de procurados. O homem confessou ter participado do ataque. Com o início dos confrontos com a Ucrânia, Rússia acelerou a extradição do brasileiro: “Hoje, no Aeroporto Internacional de Vnukovo, ocorreu a extradição de Eduardo Fauzi, um cidadão da República Federativa do Brasil” — disse a mensagem do Ministério da Administração Interna da Federação Russa.

Publicidade

 

 

Publicidade